Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

domingo, 16 de abril de 2017

Ministro do Supremo autoriza investigar mais políticos

      Na última semana, um terremoto abalou a elite política brasileira. O Ministro do Supremo, Edson Fachin, autorizou a Justiça a investigar 76 políticos envolvidos em corrupção. Para corroborar o processo, um dos maiores empresários do país, Emílio Odebrecht veio a público confirmar a parceria estreita com o ex-presidente Lula, rendosa para os dois lados. O país tomou conhecimento de que a República estava nas mãos de uma empreiteira. A Odebrecht comprou o presidente petista em várias frentes (prestando suporte ao filho do presidente, reformando o sítio de Atibaia, depositando dinheiro para parentes, construindo estádio, além de depósitos mensais para quitar supostas palestras). Assim, a Odebrecht ampliou sua atuação no mercado, expandindo-se internacionalmente, tendo o governo petista financiado obras em Cuba e em Angola. Ficamos sabendo que a "Carta aos brasileiros" foi escrita pelo quadro jurídico da Odebrecht, em troca de favores e regalias. Na sequência, para facilitar aprovação de leis que lhe eram vantajosas, a empreiteira favoreceu quase uma centena de políticos sem escrúpulos, que receberam propinas através de um departamento criado para equacionar todo o esquema. 

                                                           (Imagem: mundoedu.com.br)

      Muitos desses políticos eram já conhecidos pela desfaçatez com que sempre trataram o ofício. Outros viram a máscara de honestidade se desfazer em pó, até pouco tempo atrás se arvoravam como reservas de moralidade - a lista abrange quase todos os partidos,  mas o PT e o PMBB estão na dianteira, com o maior número de citados. Além dos contumazes frequentadores de listas do naipe, como o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT)e o senador Romero Jucá (PMDB), a nova listagem contempla oito ministros do governo Temer, três governadores, e uma enfiada de políticos, tais como os deputados Maria do Rosário, Humberto Costa, Lindbergh Farias, Paulo Rocha, Arlindo Chinaglia, Vicentinho, Zeca do PT, Zeca Dirceu, Marco Maia e outros do PT, mais de uma dezena do PP, do PMDB, do PSDB (incluindo o senador Antônio Anastasia de Minas), do PC do B (Vanessa Graciotin, senadora por Amazonas), do DEM (o deputado Ônix Lorenzoni). O que antes se dizia como interpretação dos fatos pelos cientistas políticos, agora se pode dizer que fazia parte de um projeto de perpetuação no poder por parte do PT, arquitetado por aquele que se apresenta como o mais honesto de todos os políticos desse país. Todos devem ser investigados e aqueles que a Justiça provar que cometeram atos ilícitos devem ser exemplarmente punidos.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Nuno Camarneiro

       
Livro do mês:


             O projeto ficcional de Nuno Camarneiro, neste romance que é sua estreia na literatura, assenta-se, a princípio, num mosaico em homenagem a três autores – Fernando Pessoa, Jorge Luís Borges e Kafka.  Dois personagens replicam o nome dos primeiros autores – Fernando e Jorge; o terceiro protagonista, Karl, remete ao personagem principal do romance de Kafka, America. Os personagens postam-se, à partida, como clones imaginários dos autores, em rotas que apontam para pistas especulares.


                Fernando passa os dias numa Lisboa sombria, envolvido em intrigas com as tias, a preocupação em alugar um quarto, o encontro com amigos em tavernas urbanas, a escrita de poemas e incontáveis devaneios melancólicos, que lhe inspiram versos e frases marcantes. “Portugal é assim, diminutivo e manso. O que foi chegando fez-se à escala e por cá ficou, as indiazinhas, as americanazinhas, os pretitos, pobrezinhos. Os portugueses não querem nada que não possam meter no bolso. Como é que esta gente descobriu tanto mundo?” (CAMARNEIRO, 2012, 22).  Jorge nasceu e vive com a avó num bairro popular de uma Buenos Aires idealizada, divide as tarefas infantis com a irmã Norah, “sempre que aprende algo novo faz traços no caderno” (CAMARNEIRO, 2012, 14); a sua casa é a única casa com jardim no bairro, que abriga também um cão de três pernas, inventado pelo garoto que adora inventar animais. Na verdade, Jorge inventa ainda jogos e cenários que lhe propiciem sonhar, além de conceitos surpreendentes. “Jorge comprovou uma ideia que era sua: qualquer animal que possa ser inventado pelos homens tem de existir em algum sítio” (CAMARNEIRO, 2012, 33). Karl é um operário, de descendência europeia que, no início, lava as paredes de vidro em arranha-céus de Nova Iorque.  “Quando acaba de limpar a última janela, detém-se por alguns momentos a olhar a cidade lá em baixo. Dali sente-se capaz de pensar coisas novas, de ver longe e de descobrir significados até aí ocultos. Na verdade nada disso acontece, talvez por não estar habituado a pensar coisas novas, talvez porque Nova Iorque não permita que se pense muito” (CAMARNEIRO, 2012, 24-25). Em torno desses eixos, são construídos os capítulos, intitulados com os nomes de cidades e bairros onde vivem os protagonistas.
                Sabemos que a arte contemporânea desenvolveu-se tributária de uma concepção moderna que encarece a complexidade, herdada dos inúmeros conflitos estéticos das primeiras décadas do século XX, o seu teor enigmático e obscuro.  Já afirmava Hugo Friedrich, em sua monumental La estructura de la lírica moderna:  “El acceso a la lírica europea del siglo XX no es cosa fácil, en cuanto ésta se expresa por médio de enigmas y de misterios” (FRIEDRICH, 1974, 21). Um dos aspectos produtivos da empreitada levada a cabo por Camarneiro consiste em elaborar frases, algumas postiças, nem de longe isentas de efeitos espetaculares, como se tiradas de legendas de revistas burguesas. Dentre os conceitos desenvolvidos, sobressaem vagas sugestões de duplicidade, melancolia, solidão e o poder da linguagem. “Ele explica-lhe que é um livro onde estão todas as coisas, mas a irmã continua sem entender.  Pergunta-lhe se esse livro é como a bíblia, de que a avó já lhe falou.  Jorge diz que não, a enciclopédia tem todas as ideias dos homens, a bíblia apenas as de um deus” (CAMARNEIRO, 2012, 94). Os protagonistas lembram os autores renomados, mas não se confundem inteiramente com eles.  A identificação completa seria reducionista, embora as pistas continuem a ser feitas: “Fernando nasceu para ser um homem que ainda não existia, cheio de palavras novas a quererem ser ditas, frases assombrosas que não são do céu nem da terra” (CAMARNEIRO, 2012, 35). Karl, o imigrante judeu, protagonista com maior aderência ao real, ao concreto e à tragédia, acaba demitido, após provocar um acidente; ao final, retorna ao velho mundo.  “Karl foi buscar o mundo novo e leva-o agora para casa. Tão novo e já tão estragado. Traz também um língua que cedo esquecerá, algumas poucas palavras hão de resistir porque Karl não as sabe traduzir, palavras como subway ou chinatown, nomes de bebidas e palavras ordinárias cheias de sexo”(CAMARNEIRO, 2012, 176).  Hesitante entre o registro direto e o poético, o dito e o por dizer, o determinado e o indeterminado, a linguagem não consegue livrar-se de uma inflexão semelhante, patente nas melhores páginas de Saramago.

CAMARNEIRO, Nuno. No meu peito não cabem pássaros. Rio de Janeiro: Leya, 2012.

FRIEDRICH, Hugo. La estructura de la lírica moderna. Barcelona: Seix Barral, 1974.