Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Mário Alex Rosa

Livro do mês:  Via férrea


Lançado recentemente, o livro Via férrea confirma a qualidade e densidade da fatura poética de Mário Alex Rosa, após a estreia madura dada a lume em 1912 (Ouro Preto). O título reivindica um lugar distante de outro caminho poético, cintilante e etéreo, palmilhado em outro contexto, como o do parnasiano Olavo Bilac, que nomeia Via láctea a uma série de sonetos, em que figura o famoso “Ora (direis) ouvir estrelas!” Nada existe aqui de fluido e volátil, a não ser “dois passarinhos (que) voam desatinados no céu/ aberto em asas”, prenunciando a silenciosa dança de um corpo em outro, no poema “Silence". Ao contrário, somos convidados a acompanhar a árdua e extenuante caminhada de um sujeito lançado à deriva, convivendo com as agruras do abandono, solidão e impotência diante de uma realidade asfixiante e opressiva. Para dizer de outro modo, ausentes e eliminadas as impressões ensimesmadas, não há como reprimir as notas “asfixiadas pela constatação/ de que tudo vai dar em nada”. Metáfora da vida, o título sugere, entre outras rotas de sentido,  em sua contingência selvagem, de bicho “que sai” toda manhã “ferrado”, a dificuldade de penetrar no reino da palavra, que se oculta sob o signo da hesitação e da incerteza; a inquietação existencial e do corpo, dividido “entre o escrever e o cortar-se”. Mais do que confronto à associação da poesia a uma prática evasiva, alada e fluida, esta mudança de paradigma aponta para uma trilha criativa, que se exercita no convívio com as aparas de uma linguagem plasmada na solidez do erro e do fracasso – “Dos subterrâneos / da memória sobe uma poeira encardida”.

                                      (Foto: Blog da Cosac Naify)
Se o núcleo semântico insiste em rondar o abismo e trilhas niilistas, o estrato léxico e os sofisticados recursos de prosódia tecem uma refinada música de câmara, resultante de soberbo domínio do ritmo, sóbria dicção lírica e vigilante construção frasal, capaz de extrair efeitos inusitados de combinatórias aliteradas (nome/menor, chama/chama, riscar um verso/ rés da vida, ver/ler, elide/colidem, abster-se/tarde). Se alguma liberdade sintática lembra Armando Freitas Filho, notável poeta que assina o prefácio, é inegável a sombra de Cecília Meireles em inúmeros poemas, aqueles atravessados por uma voz insistente e reflexiva: “Vá até o porto, contemple o mar,/ ele parece murmurar o seu nome”.


Dentre as circunstâncias e motivos visitados, uma vez que de uma via (ainda que férrea) se trata, o tempo acaba por se revelar o aglutinador de maior peso e voracidade: “Acostume-se/ com a falta. Ela é uma ferrugem se autocorroendo”. Os dias da semana e a passagem do tempo alternam-se a poemas que se mostram intimamente enredados e coesos, como dormentes de uma rede inconsútil de situações originárias do cotidiano, da relação amorosa e da memória. Numa escrita despojada e decupada, receptiva e hábil em recolher os despojos da tradição, ocorrem envios a outros poetas, como ao rebater João Cabral que afirmava sair limpo dos poemas: “Não. Não saio do poema/ de mãos lavadas, peito fechado./ Saio aberto a tudo, sujo, sem máscara”. Além de remeter ao cotidiano por vezes sujo e à experiência da diversidade, inerente à criação poética, seria interessante considerar também o contributo da subjetividade (desalojada do trabalho poético por tendências ditas de vanguarda) e da ambiguidade.  Sangue novo, lufada jovial, imagens ousadas, tiradas extraídas de apertados atalhos e gatilhos, coragem de tocar feridas expostas, nos lampejos de uma trilha ou sabedoria inevitável: “A via férrea cortará os trilhos, os braços e, talvez,/ abra um clarão no escuro”.

ROSA, Mário Alex. Via férrea. São Paulo: Cosac Naify, 2013. 64 pp.


terça-feira, 4 de junho de 2013

O anjo da metrópole



      Não era a primeira vez que visitava São Paulo, nem estava a passeio. Era a primeira vez que o fazia acompanhado: grávida de cinco meses, a mulher fazia-lhe companhia. O motivo da viagem era a participação em congresso acadêmico na USP, onde apresentaria pesquisa.
      São Paulo o intimidava, pelo gigantismo, por ser uma metrópole de trânsito confuso e meio caótico. Como usar o metrô, por exemplo? Mineiro pacato, sentia-se acuado, a maior cidade latinoamericana metia medo também pelo histórico de violência. Excessivamente movimentadas e abarrotadas de carros e gente apressada, as ruas assustavam-no com seus ruídos e motores tensos. Com suas avenidas largas, viadutos colossais, praças arrojadas, torres de edifício varando o céu, a grande metrópole ameaçava.



      Decidiram hospedar-se em hotel próximo do MASP, numa daquelas alamedas e adjacências simpáticas, de prédios modernos e ajardinados, repetindo o roteiro de viagem anterior, que fizera sozinho. Desconfiados (em se tratando de mineiros, a palavra é redundante), temerosos, procuram informação no terminal de metrô, assim que descem do ônibus. Inesperado, o aliado na certa foi o sobressalto, estampado no rosto. Uma senhora, que também descera do ônibus, apresentou-se, disse que os observava desde o ônibus e, ao perceber a barriga de gravidez e a vasta mala, decidiu prontificar-se. Disse que também aguardava o metrô, seu destino era próximo ao deles. O homem olhou a mulher, sentiu nela segurança e aceitou, o jeito era seguir a desconhecida solícita. Após outras orientações, disse que era atriz e deu-lhes dois ingressos, convidando-os a que prestigiassem a peça de que participava, no dia seguinte.
      Instalado no hotel, o casal trocou ideias sobre a mulher que surgira do nada e lhes dera tranquilidade. Que papel desempenharia no teatro? O horário do espetáculo não favorecia a sua presença, cruzava com evento do Congresso. Mas, para eles, desde então, passou a valer a possibilidade pouco usual, a existência de pessoas solidárias, surgidas do acaso, nos lugares mais assustadores e inóspitos. Basta manter-se receptivo à generosidade do universo para descobrir o lado positivo das pessoas. O papel interpretado pela misteriosa atriz na peça pouco importava, de vez que na vida real exercitava o papel de anjo bom.